Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Memórias da Covilhã

Memórias da Covilhã

Bairro dos Penedos Altos

25.10.16, Memórias

Colaboração Blog de Paulo de Jesus

BAIRRO DOS PENEDOS ALTOS 

O Bairro dos Penedos Altos localiza-se na zona mais a Norte da Covilhã, junto à Ribeira da Carpinteira. Este bairro, foi o primeiro bairro social inserido nos programas habitacionais do Estado Novo. Designadamente no programa de casas económicas.

 

Em 1936, foi realizada a venda da Quinta dos Melos, “Penedos Altos”, por Georgina Geraldes de Lima e Cunha de Campos Mello, casada com José Maria Castro Campos Mello às seguintes entidades: Câmara Municipal da Covilhã; Caixa Sindical de Previdência do Pessoal da Industria de Lanifícios e à Federação Nacional dos Industriais de Lanifícios, para construção de um bairro operário.

 

No ano de 1940 foi adjudicada a 1ª fase ”bairro de cima”, aos construtores António Alves Franco Júnior; Augusto Domingos e Joaquim da Silva Reis para a construção de casas com habitações de piso único e diversas tipologias para alojar agregados familiares de várias composições. Todas as casas possuem um quintal nas traseiras.

 

Em 1946, para dar continuidade à construção do bairro, foram adquiridos terrenos aos seguintes proprietários, Eng. Telo de Carvalho Simas e esposa bem como a Carlos Mello e Castro e esposa Isilda Castro Campos Mello e Matos, e outros. Nessa data, teve lugar a assinatura do empréstimo no valor de um milhão e seiscentos e quinze mil escudos à Caixa Geral de Depósitos às seguintes entidades: Câmara Municipal da Covilhã; Caixa Sindical de Previdência do Pessoal da Indústria de Lanifícios da Covilhã, para fazer face aos encargos que lhe competiam na ampliação do bairro.

 

Seguiu-se, no ano de 1947, a construção da 2ª fase “bairro de baixo” com o autor do projeto Eng. Mário Soares Lopes e os construtores José da Costa Riscado e Manuel Fernandes Pinto.

 

O bairro de baixo, era composto de habitações de 2 andares, e cujo número de divisões e rendas variavam em concordância com os agregados familiares a alojar. Todas as habitações possuíam um quintal nas traseiras.

 

O bairro estava dotado de infra-estruturas como saneamento, água, luz, edifício escolar e Igreja.

 

Em 1953 foram adquiridos terrenos à “Fábrica Alçada & Filhos, Sucessores”, para ampliação do bairro.

 

Na década dos anos 80 e 90, do século XX, as quintas do Samarra, do Mestre Jaime e Serrado foram vendidas em lotes de terreno para novas construções.

 

Atualmente, trata-se de um bairro único, dotado de variadas infra-estruturas de lazer; jardins; parque infantil; piscina municipal; escola; pavilhão gimnodesportivo; associações culturais e desportivas e outros equipamentos.

 

Este bairro é composto pelos seguintes arruamentos; Rua Celestino David; Rua da Calva; Praceta da Calva; 1ª e 2ª travessa da Calva; Travessa D. Filomena Anaquim; Rua D. Maria José Alçada; Rua Dr. Guilherme Raposo de Moura; Rua Dr. Manuel Mendes de Matos; Rua Fernando Antunes; Rua da Igreja; Rua São José; Rua e Escadas do Padre Pita; Caminho dos Moinhos; Rua dos Motoristas; Rua da Piscina; Rua e Escadas do Pinho Manso e Rua do Ribeiro de Flandres.

 

In “BAIRROS DA COVILHÔ de António Garcia Borges

in http://cidadedacovilha.blogs.sapo.pt/7352.html